Cãomigo Sempre: Outubro 2015

sexta-feira, 9 de outubro de 2015

Como ensinar seu cachorro a parar de latir

Eu amo meu cãomigo e adoro passar horas com ele, mas não aguento mais ouvi-lo latir.

Quem nunca se deparou com esse sentimento?

Alguns cães latem mais que outros, isso varia conforme a raça e o temperamento do seu cão. Geralmente cães mais novos e agitados tendem a latir com mais frequência para chamar a sua atenção, só que se o dono não pôr fim a essa reação do seu cãomigo o mesmo pode desenvolver gosto pelo latido e tornar a sua vida um verdadeiro caos.

Mesmo que seu cão não seja um filhote é possível ensina-lo a parar de latir apenas com um comando.

Antes que você inicie a sua jornada de adestramento para fazer o seu cãomigo parar de latir ao comando, eu sugiro que leia previamente os artigos abaixo, pois para que ele te obedeça, você necessita criar um laço de confiança com seu cão, através do adestramento básico.


É muito difícil ensinar um cão que não tenha aprendido previamente os comandos básicos de adestramento, pois esse comando em especial é bastante avançado para um cão não adestrado.

Uma vez que seu cãomigo já conhece o básico é hora de ensinar o comando “Fala”. Esse comando tem o intuito de ensinar o seu cão a latir quando você solicitar.

Parece contraditório que esteja te dizendo para ensinar o seu cão a latir quando o seu objetivo é que ele pare de latir, mas a questão é que seu cão precisa entender a diferença entre o latir que você permite, e o latir que ele tem que se silenciar. Ensinando o comando fala o seu cãomigo vai perceber rapidamente que ganha mais a sua atenção ao latir sobre solicitação, do que o inverso, por isso é importante esse primeiro comando.

Para ensinar o comando “fala” eu recomendo que tenha perto de você um biscoito ou algum presente que seu cão goste muito e um clique (caso não saiba o que é um “clique” veja esse artigo).

O comando “fala” é bastante difícil de ser ensinado, eu mesma tenho 5 cãomigos e só consegui ensinar esse comando a 2, mas não desista, persistência é a chave do sucesso.

Observe seu cãomigo e identifique uma situação em que ele lata de forma natural, por exemplo, a maioria dos cães latem por frustração, ou seja, quando eles não conseguem algo eles tendem a latir. Use a frustração ao seu favor, eu tenho uma Golden que ama brincar com a bolinha, segurar a bolinha sem jogar para que ela pegue é o suficiente para que ela comece a latir. Identificando isso eu comecei a segurar a bolinha e a dizer o comando “Fala”, se ela latisse eu clicava com o clique e jogava a bolinha (que era o que ela mais queria no momento), caso negativo eu insistia no comando até que ela latisse.

Isso pode não ocorrer de forma tão fácil quanto eu descrevo acima, mas o princípio é esse.
Com o tempo você vai perceber que ela ou ele já entendeu o comando e é a partir daí que você começa a dificultar as coisas. Comece a pausar o tempo em que você diz “Fala”, faça com que o seu cãomigo entenda que o comando “fala” é o comando que “libera” o latido, e no meu caso, a bolinha.

Aos poucos o seu cãomigo vai ficar “calado” esperando o seu comando e é então que você precisa marcar o comando.

Marcar o comando é efetua-lo fora do ambiente de treinamento, por exemplo, sem a bolinha no meio do dia você pede para o seu caomigo o comando “fala” (associe um gesto ao comando que isso ajuda bastante o aprendizado), se ele ou ela responderem ao comando sem a bolinha isso significa que ele está aprendendo.

Fique seguro apenas quando o seu cão não hesitar em latir quando você disser o comando “fala”, quando isso ocorrer pense em passar para fase 2.

A fase 2 é a fase que você deseja, e seu cãomigo a essa altura está pronto para ela.

A fase 2 é um pouco mais fácil de ser ensinada, mas se a fase 1 não tiver sido concretizada ela não irá ter o êxito esperado.

Novamente volte a observar seu cãomigo, que ainda deve estar latindo bastante, observe o porquê que ele está latindo, se for de seu interesse que ele continue latindo então deixe (os cães costumam proteger a casa latindo e isso é bom), mas se seu cão esta latindo para um pássaro, ou um espantalho, ou qualquer motivo que você julgue desnecessário seu latido, é aí que você deve agir.

No momento em que ele estiver latindo posicione-se a frente do cão e faça o gesto de silencio seguido do comando “quieto”, faça isso de forma firme para que ele entenda que esse comportamento não é aprovado por você. Se o cão se calar ao comando, dê parabéns, clique e presenteie seu cão. Muito provavelmente ele vai voltar a latir, pois ele não vai entender o comando na primeira vez, por isso repita o processo até que ele desista de latir e faça outra atividade.

Quando seu cão sair do local onde ele latia, vá atrás dele e aplique o comando “fala”, quando ele latir a comando dê um presente. A ideia é que ele compreenda a diferença entre latir sob comando e parar de latir sob comando, com esses dois comandos em mente o seu cão irá te obedecer sempre.

Lembre-se que latir é a forma do cão se comunicar, ou seja, não há nada de errado nisso, o problema são os excessos.

De forma alguma faça alguma intervenção cirúrgica para remover as cordas vocais do seu cão, ou utilize de métodos que machuquem seu cão quando ele latir, além de cruel isso é desnecessário e vai deixar seu cão mais agitado e nervoso, o que pode acabar em agressão da parte do peludo. Cuide do seu cãomigo e ensine a ele o que você deseja, da forma mais carinhosa possível para que ele reaja da forma mais carinhosa possível.

Não se esqueça sempre de que ele pode estar apenas te protegendo quando late por isso observe bem antes de brigar ou pedir para que ele pare de latir.


Tenha um dia de cão com seu cãomigo sempre.

terça-feira, 6 de outubro de 2015

Filhote Adotado – Primeiros cuidados saúde dos filhotes

Filhote de bebê humano ou canino exigem cuidados especiais, pois se tratam ambos, de um pequeno ser vivo desprotegido, que exige atenção em seus primeiros meses de vida.

Existem algumas doenças bastante comuns em filhotes que necessitam de atenção e cuidados para que o pequeno não venha a falecer.

As doenças mais comuns são:

Vermes:

Geralmente adquirido através do leite materno. Durante o parto as cadelas necessitam comer a placenta de seus filhotes para que os mesmos respirem e sobrevivam.

Pode parecer nojento (e de fato é) mas faz parte da natureza e precisa acontecer.

O problema é que esse ato de ingestão da placenta acaba contaminando a mãe que por sua vez contamina os filhotes.

O que as pessoas não sabem é que vermes podem matar, tanto o filhote quanto o dono. Isso mesmo... o dono.

Os vermes podem ser encontrados em praticamente qualquer habitat. Muitos vermes também são parasitas o que dificulta o seu controle pleno.

Os vermes circulam livremente no trato intestinal e passam desapercebidos por todo o sistema digestivo alimentando-se, basicamente, do que você fornece, ou no caso do cão, do que o seu cão fornece.

Os vermes poderiam viver em paz no nosso sistema digestivo (muitos parasitas vivem sem você saber), só que eles se reproduzem muito rápido e acabam ocupando grande parte do seu bolo intestinal. Como resultado do volume excessivo de vermes a barriga do filhote incha, ele fica apático e começa a defecar esses vermes, as vezes chegam a vomita-los.

Se não tratado o filhote e o dono, podem acumular muitos vermes que, pela falta de espaço, se sobrepõem formando verdadeiras pedras de vermes, com isso, o seu sistema digestivo (e o do seu cão) ficam obstruídos danificando a sua ingestão e excreção de alimentos.

A existência de vermes em ambos (dono e filhote) tende apenas a aumentar, se não for tratada, e a ida ao hospital acaba tornando-se tardia em alguns casos.

Se você está cuidando de filhotes leve-o ao veterinário e trate seu pequeno com vermífugos.

Não se esqueça de procurar um médico para você também pois da mesma forma que o filhote pode te transmitir vermes, você pode transmitir vermes para ele. Controle o seu ambiente, vermifugando ambos e mantenha o local dos filhotes limpo, para a situação não piorar (depois de mortos os vermes saem nas fezes e alguns ainda podem sair vivos por isso o ambiente deve ser limpo com frequência).

Desnutrição

Outro problema comum em filhotes é a desnutrição. Muitas vezes os filhotes se recusam a ingerir o leite da mãe, ou, se recusam a ingerir o substituto do leite materno para cães. Ambas situações podem resultar na desnutrição dos filhotes.

A parte difícil é descobrir que isso está acontecendo, pois como os filhotes são pequenos torna-se difícil identificar seu crescimento.

Consulte um veterinário e veja qual é o peso ideal para cada fase de desenvolvimento do pequeno, e crie a rotina de pesa-lo para que você acompanhe de perto seu crescimento.

Carrapatos/ pulgas

Se você está com filhote adotado, muito provavelmente você desconheça a origem do pequeno.

Como você não sabe de onde ele veio é bem provável que ele possa estar com pulgas ou carrapatos, principalmente se você mora longe de grandes cidades (mas até mesmo na cidade é possível encontrar esse problema).

O indicado é que você leve imediatamente após ter recolhido o filhote, a um veterinário que irá indicar a forma correta de controle de pulgas e carrapatos em filhotes.

Se há uma coisa que todo filhote precisa é de carinho, então “não poupe despesas” quando o assunto for carinho no filhote. Conforme eles forem crescendo eles irão exigir cada vez mais carinho e atenção.

Lembre-se que é sua responsabilidade aquela vida, e se seu cão crescer antissocial ou bravo, a culpa é exclusivamente sua. Em minha experiência pessoal não existe cachorro ruim e sim donos ruins, que não ensinaram a seus cães que humanos não lhe farão mal.

Educação e amor são a palavra de ordem para qualquer dono que efetivamente ame seu cãomigo, lembre-se sempre disso.




Tenha um dia de cão com seu CãoMigo Sempre.